Tai Chi Chuan Suave

Tai Chi Chuan Suave

 

 

O Tai Chi Chuan tem sido largamente praticado na China há séculos, como prática meditativa. Ao processo de envelhecimento estão associadas perdas sociais, cognitivas, neuromotoras e metabólicas capazes de comprometer seriamente a qualidade de vida do indivíduo idoso, levando-o à perda de autonomia e à dependência física, psicológica e econômica, com relação à família e à sociedade. Já está bem estabelecido que a prática regular de atividade física contribui para o envelhecimento saudável e aumento da expectativa de vida (DERRICK, 1998). Sua prática favorece ainda a concentração mental e o controle de movimentos de todo o corpo, além de ser prático em sua realização, pois não são necessários grandes espaços e nem equipamentos (CHENG, 1989).

Exercícios físicos praticados regularmente inibem alterações orgânicas que se associam ao processo degenerativo, contribuem para a reabilitação de determinadas patologias que podem aumentar os índices de morbidade e mortalidade, agindo também sobre a saúde mental e a eficácia cognitiva (PROVINCE,1995).

Por esta razão, têm sido criadas estratégias de ações com o propósito de estimular os idosos a aderirem à prática regular de atividade física. Diferentes dimensões como a freqüência, a intensidade, a duração e ainda o tipo de atividade podem ser consideradas. (NAHAS, 1996).

O Tai Chi Chuan é uma modalidade de Ginástica Chinesa que, em um estudo desenvolvido por Ecclestone (1998), no Canadá, apresentou-se como a segunda atividade de maior aderência entre os praticantes idosos, sendo superada apenas pela musculação, numa lista de 12 atividades ofertadas durante três anos. Exercícios supervisionados, de intensidade baixa a moderada, são os mais indicados para promoção de saúde em idosos (PROVINCE, 1995). Os estudos demonstram que, para praticantes desta faixa etária, o Tai Chi Chuan é um exercício de intensidade moderada, que trabalha em valores próximos a 60% da freqüência cardíaca máxima (LAI, 1995).

A prática regular do Tai Chi Chuan produz incrementos na função cardiovascular de idosos, melhorando tanto a capacidade de trabalho quanto a hemodinâmica cardíaca (LU & KUO, 1972-76). Estes efeitos da prática também foram verificados em pacientes idosos com infarto agudo do miocárdio e em pacientes revascularizado. Alguns estudos apresentados por Hong, Li e Robinson (2000), demonstraram melhora na função cardiovascular, diminuição da freqüência cardíaca e redução de pressão arterial em idosos praticantes de Tai Chi Chuan. Estudos com idosos sedentários, comparando os efeitos de exercícios aeróbicos de intensidade moderada com programas de Tai Chi de intensidade leve, encontraram efeitos similares na redução da pressão arterial.

Entretanto, como os resultados produzidos pelo Tai Chi Chuan sobre a pressão arterial são menores que os das atividades aeróbicas padrão, como caminhar; um estudo de Li, Hong e Chan (2001) recomenda que o Tai Chi não deve ser prescrito em substituição à prática regular do exercício aeróbico.

As alterações da respiração verificadas durante a prática dos exercícios do Tai Chi Chuan sugerem melhora na função respiratória. Os idosos praticantes de Tai Chi Chuan apresentaram menor perda da força nos membros superiores durante o teste de preensão manual. Melhoras significativas também foram verificadas para a força dos músculos extensores e flexores dos joelhos de praticantes de Tai Chi Chuan em relação a grupo controle (FEDER, 2000).

Blair e Garcia (1996) citam que existem no mínimo três componentes da aptidão física que são importantes para preservação das funções em indivíduos idosos: força muscular, potência aeróbica e equilíbrio, sendo estas algumas das variáveis que o treinamento de Tai Chi Chuan desenvolve. Lan (1999) cita também que ele produz efeitos benéficos em diferentes variáveis da aptidão física como equilíbrio, capacidade aeróbica, flexibilidade e na função cardiorrespiratória.

O Tai Chi Chuan é uma arte marcial milenar chinesa que através de movimentos flexíveis e lentos, assim como da coordenação entre consciência e respiração, promove a harmonização das energias yin e yang, além de proporcionar a liberação das tensões corporais de seus praticantes diminuindo assim também a ansiedade generalizada (DELZA,1961). Também, através do desenvolvimento da força nas articulações e na musculatura, o Tai Chi Chuan estimula respostas proprioceptivas e treina os percursos dos reflexos neuromusculares, o que melhora o equilíbrio, a agilidade, a flexibilidade, a resistência, a capacidade de movimento e a coordenação (LUMSDEM, BACCALA & MARTIRE, 1998).

O Tai Chi Chuan evoluiu em várias direções. Nos primeiros tempos, foi aplicado como arte marcial pura, sendo que, resquícios desta época ainda estão presentes na forma de competições de luta de Tai Chi Chuan, em Cingapura e Hong Kong (DESPEUX, 1995).  Apesar disso, o ramo que mais se desenvolveu foi o do Tai Chi Chuan como atividade física para a saúde, que incorporou conceitos da filosofia, da medicina e de outras ginásticas e práticas terapêuticas chinesas, sem descartar completamente o aspecto de arte marcial (DESPEUX, 1981).

Yan e Downing (1998) citam que o Tai Chi Chuan proporciona a seus praticantes uma variedade de benefícios físicos e psicológicos, como melhoras na aptidão cardiovascular, no controle motor, na redução do estresse, da ansiedade e da depressão, desta forma esta prática é particularmente apropriada para indivíduos idosos e por ser individualizada, não cansativa e de natureza não competitiva facilita a aceitação e aderência.

 

Prof.ª Jacqueline Sodré

Segundas, Quartas e Sextas - 18:00 hs

Depoimentos de alunos do Tai Chi Suave

A descoberta do Tai chi Chuan, foi umas das coisas mais importantes, que aconteceram na minha vida.

 

Além de cuidar da minha saúde mental e física, tive a oportunidade de conhecer pessoas muito especiais, como minha queridíssima mestre, Jacqueline Sodré e meus colegas de práticas. Pratico também Qi Gong, e os benefícios somados são incríveis.

Por isso acho que o Tai Chi Chuan, deveria ser melhor difundido, para que outras pessoas, também possam usufruir e principalmente pessoas idosas.

 

Alair Schimidt

 

 

O significado do tai chi no meu processo de tratamento de seqüelas de aneurisma cerebral.

 

No início, não era possível entender e memorizar nada, porém a repetição da prática levou a uma possibilidade de equilíbrio físico e psíquico. Pude perceber que havia uma lembrança, ainda que não consciente de determinados gestos. E isso me levou a resgatar um em especial, o de cumprimentar os mestres (saudação ao altar dos Mestres) no início, e no final das aulas. Todos os dias fazia (e continuo fazendo) a saudação que havia aprendido, e pude perceber que essa prática me resgatou paulatinamente, e hoje estou recuperada. 

 

Telma P.

  • s-facebook